• Tatiane Peixoto Isaia

Pareceres Descritivos da Educação Infantil alinhados com a BNCC


Como primeira etapa da Educação Básica, a Educação Infantil é o início e o fundamento do processo educacional. A entrada na creche ou na pré-escola significa um direito que Bebês e Crianças têm perante a concepção que vincula educar e cuidar, entendendo o cuidado como algo indissociável do processo educativo.


Nesse contexto, conforme salienta a Base Nacional Comum Curricular,


“as creches e pré-escolas, ao acolher as vivências e os conhecimentos construídos pelas crianças no ambiente da família e no contexto de sua comunidade, e articulá-los em suas propostas pedagógicas, têm o objetivo de ampliar o universo de experiências, conhecimentos e habilidades dessas crianças, diversificando e consolidando novas aprendizagens, atuando de maneira complementar à educação familiar, especialmente quando se trata da educação dos bebês e das crianças bem pequenas, que envolve aprendizagens muito próximas aos dois contextos (familiar e escolar), como a socialização, a autonomia e a comunicação”.

Com isso, a BNCC ressalta que o aprendizado e o desenvolvimento dos Bebês e das Crianças, deve acontecer por meio:


  1. dos cinco Campos de Experiências, que se articulam com os eixos estruturantes da Educação Infantil (as Interações e as Brincadeiras);

  2. com os seis Direitos de Aprendizagem e Desenvolvimento;

  3. e, com cada um dos Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento.


Sendo assim, na Etapa da Educação Infantil, não há conteúdos a serem trabalhados (como acontece no Ensino Fundamental): o que precisa ser proporcionado às crianças, por meio das Atividades Pedagógicas e de Proposições Pedagógicas, são experiências, organizadas, intencionalmente, pelo educador de modo que permitam às crianças conhecer a si e ao outro e de conhecer e compreender as relações com a natureza, com a cultura e com a produção científica, que se traduzem nas práticas de cuidados pessoais, nas brincadeiras, nas experimentações com materiais variados, na aproximação com a literatura e no encontro com as pessoas.


Portanto, estamos falando de uma Educação Infantil que proporciona aos Bebês e às Crianças, a possibilidade de vivenciarem experiências reais, concretas e significativas, por meio do trabalho com as múltiplas linguagens, que fomente neles o desenvolvimento de Competências Cognitivas e de Competências Socioemocionais em prol do desenvolvimento pleno de todos esses educandos.


Tendo em vista tudo isso, cabe disser que os seis Direitos de Aprendizagem e Desenvolvimento devem ser entendidos como os elementos centrais de todo o processo avaliativo que acontece dentro da Etapa da Educação Infantil. Ou seja, ao avaliar cada criança, o educador precisa ter um olhar atento e um ouvido aguçado (pedagogia da escuta) a fim de verificar todos os avanços, os progressos e as potencialidades apresentadas pelos Bebês e pelas Crianças em relação, especificamente, a cada um desses Seis Direitos de Aprendizagem e Desenvolvimento.

Pois, conforme ressalta a BNCC:


“[...] os seis direitos de aprendizagem e desenvolvimento asseguram na Educação Infantil, as condições para que as crianças aprendam em situações nas quais possam desempenhar um papel ativo em ambientes que as convidem a vivenciar desafios e a sentirem-se provocadas a resolvê-los, nas quais possam construir significados sobre si, os outros e o mundo social e natural”.

Resumindo: no Parecer Descritivo das crianças da Educação Infantil, não devemos fazer relatos descritivos sobre o que a criança aprendeu ou não aprendeu em relação a conteúdos escolares (como normalmente acontece no EF), mas sim nos determos em apresentar, qualitativamente, os avanços (de aprendizagem e de desenvolvimento) que cada criança apresentou tendo em vista cada um dos Direitos de Aprendizagem e Desenvolvimento.


Além do mais, de acordo com a BNCC, a avaliação na Educação Infantil e, portanto o Parecer Descritivo, devem ser entendidos como um processo e um documento “[...] sem intenção de seleção, promoção ou classificação de crianças em ‘aptas’ e ‘não aptas’, ‘prontas’ ou ‘não prontas’, ‘maduras’ ou ‘imaturas’” (BNCC, p. 37).

As Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil corrobora com a BNCC quando ressalta que: a avaliação na Educação Infantil não tem função de promover ou reter uma criança, mas sim, tem a função de ser um meio para se verificar e se registrar (por isso existe o Parecer Descritivo) todas as conquistas, os avanços, as possibilidades, as aprendizagens e os desenvolvimentos, observados na trajetória de cada Bebê e de cada Criança.


Para saber mais sobre os Pareceres Descritivos na Educação Infantil, acesse o link: http://pareceres.contato.site/parecer-descritivo

0 visualização

Siga-nos nas redes sociais!

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram